terça-feira, 13 de maio de 2008

Teoria do tocar materno

E não venham com "O Dia das mães já passou"...acho essa reflexão válida...

Comodismo ou não, já é mais do que provado que o parto normal é, como o pró­prio nome diz, o mais seguro e saudável para mãe e filho, além de ser uma lição de sobrevivência da genitora para seu rebento. Como isso?
Ashley Montagu dedicou um livro inteiro para falar dos inúmeros benefícios que a relação mãe-bebê geram para uma boa vida adulta. Em Tocar: o significado humano da pele, o autor prova o quanto é importante manter o contato desde o nascimento.
Segundo o autor, o parto normal prepara o bebê para a difícil e estranha transição do mundo seguro da bolsa d’água para o mundo externo fora dela. Já nas contrações estão os primeiros desafios que o bebê enfrenta, sendo estimulado, como em uma super massagem em toda a pele, para não vir ao mundo tão frágil e sensível. Com “dos empurrões” o bebê tem força para dar sua primeira respirada, mesmo sem nunca ter feito isso antes.
Na amamentação, a teoria segue. Além de ser um elo único, que dever ser feito logo após o parto, o ato da mãe doar uma parte de si para sua criança, dá mais do que o leite: dá remédio, carinho, segu­rança e imunidade, que esse bebê levará para toda sua vida adulta. Com estudos, Flusser identificou diferenças muito fortes entre os adultos que amamentaram até mais de seis meses, quando crianças, e os que tiveram interrupção ainda na maternidade.
Ele conclui ainda, que a primeira mamada deve ser feita imediatamente após o nascimento, de parto normal. Isso já é incentivado em campanhas, isoladas ainda, no mundo e no Brasil, para que nas unidades de saúde seja adotada essa prática.
Problemas de respiração, de pele, dificuldade em alimentar, aprender a falar, se relacionar, inse­gurança, depressão, distúrbios no sistema imunológico e etc. Estas são apenas algumas das características observadas entre quem teve uma vida de estímulos, desde o nascimento e quem não teve tanto incentivo, já iniciando pelo nascimento por meio de cirurgia – o parto cesárea.Vale a pena refletir, ao optar por ter um filho de uma forma fria e sem a naturalidade que o evento exige ou por trazer o filho de forma natural, onde ele passará desde o início de sua vida, pelos desafios de estar no mundo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Desculpe, mas, como estudo Flusser, procuro ler tudo o que sai na web sobre ele. Creio que aqui há um engano, pois este livro não é de Flusser, e sim de Montagu:

MONTAGU, Ashley. Tocar: o significado humano da pele. São Paulo: Summus, 1998.

Eli K disse...

Obrigado, caro anônimo!
Realmente tem erros que são mesmo irreparáveis.
Confundi os nomes!

Obrigado, mais uma vez!