quinta-feira, 18 de abril de 2013

Incapacidade

Havia prometido pra si que nunca mais!
Que nunca mais permitiria que ele brincasse com seus sentimentos,
Que viesse dormir novamente em sua cama,
Que viesse partilhar de seus novos amores.

Havia dito pra si que pegaria as chaves de volta,
Devolveria suas cuecas e meias misturadas na cômoda,
Bloquearia ele na internet,
E o apagaria do celular.

Havia mostrado para si o quão imaturo ele é,
Quão friamente ele agia,
Quão baixo era o nível de carinho em seus gestos!
E quão distante ele se posicionava.

Mas logo percebeu o erro:
Prometeu pra si.
Disse pra si,
Mostrou pra si.

Logo, nada cumpriu,
Nada ouviu,
Nada viu...

4 comentários:

Ivy Szot disse...

Gostei muito desse... tem uma pitada de melancolia, presente na maioria dos seus versos. Adoro!! Sucesso.

eLi disse...

Obrigado, Ivy!!!
Valeu pela visita!
Curti seu blog também e apareço por lá sempre!
:)

Carolina Corrêa disse...

E é quase sempre assim quando prometemos apenas para nós... Me enxerguei muito nesses versos!!!

eLi disse...

Né, não?
Estamos sempre fazendo promessas veladas que não serão cumpridas...
O lance é seguir, buscando o prumo certo...

Valeu, mais uma vez, Carol, a visita!

:)