sexta-feira, 13 de março de 2009

Limpeza


O desabafo é sempre ali mesmo.
Dentro de seu carro, entre engrenagens do lava rápido,
Zunidos, barulhos e ruídos.
Entre um jato de sabão, outro de detergente e água, automáticos.

Sem presenciadores, testemunhas.
Ele grita alto. Louco.
Trancado no veículo, sozinho.
Com muito a resolver.
O grito é um só e estridente (mas o suficiente para não ser ouvido),
Em meio ao barulho daquelas escovas gigantes da máquina de limpeza, lá fora.
O bastante para descarregar, ali dentro, e de forma eficaz, o que sente.

Ao ver seu companheiro na pior, entorpecido.
Ao ter de fazer uma escolha difícil,
Na qual pende mais do que seu futuro.
Ao descobrir a sorte cruel à qual sua amiga está fadada.

E assim, ele possuía o carro mais limpo da redondeza.

5 comentários:

Andréa disse...

achei cinematográfica essa cena!!!
beijos

Arnaldo disse...

Às vezes, é preciso essa liberdade, pra gritar. Às vezes é preciso conquistá-la e, se não conseguir, gritar assim mesmo.

eLi disse...

Andréa,
Você está certa. Trata-se de uma cena que vi em um filme chamado "Holding Trevor".
ele não é tão bom que merecesse um comentário aqui, apenas inspiração para esse post.

Arnaldo,
Gritar é mesmo preciso! Necessidade.
Mas nem sempre é fácil se dar ao luxo dessa "descarga", né?

Obrigado a vocês, pela visita!

Vanessa Dantas disse...

Texto e foto: ótimos!
Beijo.

eLi disse...

Beijão e obrigado, Vanessa!