domingo, 14 de junho de 2015

Orientação

Sua tentativa foi em vão.
A bala entrou, mas desviou-se, no osso,
Da parte vital na cabeça.

Socorrido, o médico que o atendeu estava estressado.
Achava injusto interromper outra emergência,
Para atender a esse, que falhou no suicídio.
Em um estado que beira o coma e a consciência,
O paciente acompanhava em silêncio tudo o que se passava.
"Cara burro, nem se matar sabe.
Se quer atirar, que atire dentro da boca."

Ao se recuperar, voltar para casa,
O paciente ficou com aquelas palavras na cabeça.
Na primeira oportunidade,
Pegou a arma, atirou dentro da boca.
Dessa vez eficaz, como indicara o médico.


2 comentários:

Carolina Corrêa disse...

Forte! Muito bom!

eLi disse...

Pois é. A dimensão que as palavras tomam!
E não temos a menor ideia disso.

Um eterno exercício do "será que o que eu direi é realmente necessário?"

Beijo, Carol, linda!