quarta-feira, 29 de junho de 2016

Bloqueio

Ela decidiu: iria bloquear ele nas redes sociais.
Cansou de sempre deletar e readicionar.
Não por culpa dele.
Muito menos por culpa dela.

Há sete meses ambos decidiram entrar numa brincadeira.
Brincadeira de “pegar sem se apegar”.
Balela: um dos lados acaba sempre se apegando.
E a brincadeira torna-se séria.

Não foi culpa dele por ele ter outra.
Não foi culpa dela, tampouco, por ser solteira.
Foi culpa de ambos insistir numa traição.
Foi culpa de ambos dar corda e alimento a sentimentos perigosos.

O bloqueio é um basta apenas.
Um basta às milhares de vezes que ele fez pouco caso dos sentimentos dela,
Encarando eles como paranoia, como chatice,
Como “forçar a barra”, como drama, como baixo auto-estima.

Um basta pelas zilhões de vezes que ela cobrou dele,
Sendo injusta, pedindo a alguém compromissado
O que ele nunca poderia dar: atenção,
Afeto, presença, parceria. Amor.

Ela passou a amá-lo tanto,
Que o melhor foi deletá-lo.

2 comentários:

Carolina Corrêa disse...

Essa pegou fundo! Uma história que milhares vivem todos os dias, história que eu já vivi um dia.
Esse texto transcreveu bem o sentimento referente a esse fato.

eLi disse...

Carol, sim. É a tecnologia como ferramenta para "demonstrar" sentimentos!
É a hora que muitos descobrem seu lado de duas polaridades: a que bloqueia chorando para continuar o contato. E a que segue contato, se maltratando e querendo bloquear....