sexta-feira, 29 de maio de 2009

Boas intenções

Ônibus quase lotado.
Todos os lugares sentáveis ocupados.
Muitos de pé.
Um dos lugares quase no fundo do coletivo fica desocupado.
Alguém iria descer.
De repente uma comoção.
“Deixa o lugar para aquela gestante ali, ó.”
Diz uma das mulheres, em pé.
“Chama a grávida!”
Defende outra que está sentada, ao mesmo tempo da primeira.

Nisso, boa parte do veículo já olhava para a barriguda.
“Eu?”
“Isso, você! Afinal, está precisando.”
“Não, não quero sentar.”
Uns observadores compreenderam,
Mas as bem intencionadas, não.
“Senta menina, você está grávida.”
A moça fecha os olhos e faz aquela cara,
De quem desejaria abrir um imenso buraco,
Para nele entrar.
“Não, não estou grávida.”
Respondeu com a máxima simpatia que pode.
Silêncio no ônibus.
A tá, é que sua roupa é larga.
Mesmo assim, não havia conserto para a situação.

4 comentários:

Jairo Souza disse...

NUsssssssssssssssss
Racha!

eLi disse...

Engraçadão, né?!
Normalmente isso ocorre com aquela amiga que você não vê há séculos!

Abração!

Ives Nelson disse...

Rapaz... essa foi fodástica!

eLi disse...

Pois é, Ives, é daquelas situações que você olha e simplesmente solta um "sem comentários"!
ehehehe